Poemas

TUDO O QUE POSSUO 

Não TENHO NADA nos bolsos e
o que eu tenho na minha VIDA?
Eu tenho nada,
e é tudo o que CARREGO;
uma ou duas dúvidas
sobre o universo,
e muitas coisas a discutir
com a ciência MATERIALISTA;
nada TÃO grave
que POSSA afetar-me como
I N D I V Í D U O
e assim enjaular-me
nessa A N S I E D A D E
natural do nosso século
― coisa que não me impede
de tratar I R O N I C A M E N T E
a busca por água
em planetas distintos.
Mas por quais becos se
A R R I S C A M
as coisas de que possuo?
Não nos bolsos do casaco,
nem em grandes copos VAZIOS
nos armários do tempo mental;
ELAS estão enraizadas no mais íntimo,
na minha S O L I D Ã O,
nas coisas que o sol ilumina
e que não é de ninguém;
c a u s a s
p r o f u n d a s
é tudo o que POSSUO.